Crescimento e Engorda de peixes.Recria e Engorda do Pacu, Tambacu, Piauçu e Peixes do Gênero Brycon

17/02/2013 12:02


Este Boletim Informativo contém  sugestões de como conduzir a recria e a terminação do 

pacu, tambacu, piauçu e dos peixes do gênero Brycon (piaraputanga, piracanjuba e matrinxã) em 

tanques de terra. 

As sugestões aqui apresentadas servem apenas como ponto de partida e referência para 

os piscicultores e técnicos, devendo ser adaptadas às particularidades de cada região ou 

piscicultura. A produção destes peixes em tanques-rede e tanques de alto-fluxo (“raceways”)  é 

pouco conhecida e não será discutida neste boletim.

    

1.   Aquisição de alevinos de boa qualidade 

 

O sucesso do cultivo de qualquer peixe depende da aquisição de alevinos de boa 

qualidade, oriundos de produtores idôneos. A piscicultura intensiva fornece aos seus clientes alevinos 

produzidos a partir de matrizes criteriosamente selecionadas, bem nutridas, livres de doenças e 

cuidadosamente manipuladas durante as etapas da reprodução. Devido a estes detalhes e aos 

cuidados especiais dedicados à qualidade da água, à nutrição e à sanidade durante a larvicultura e alevinagem, os alevinos: 

• Não apresentam consangüinidade; 

• São isentos de parasitos e livres de doenças; 

• Possuem tamanho uniforme; 

• E expressam todo o potencial de crescimento em cultivo.  

 

2. Produção de alevinos avançados (Recria) 

 

2.1. Preparo dos tanques 

Na Etapa 1 da recria é recomendado o uso de tanques de pequeno tamanho, entre 200 a 

2.000m2, por facilitarem o manejo da alimentação e o controle da predação por aves. Tanques 

maiores (2.000 a 5.000 m2) podem ser usados na Etapa 2, principalmente quando for necessário 

produzir grandes quantidades de alevinos avançados. 

 

Drenagem total dos tanques  

 

Os tanques devem ser drenados e expostos ao sol por 2 a 3 dias para  acelerar a oxidação 

da matéria orgânica depositada no fundo.  

Peixes que sobraram do cultivo anterior devem ser eliminados com a aplicação de cal 

virgem ou cal hidratada nas poças. 

 

 

Calagem com calcário agrícola: 200 a 400 kg/ 1.000m2

Aplicar uniformemente sobre todo o fundo dos tanques. A função da calagem é elevar a 

alcalinidade e a dureza total e corrigir o pH da água.  

A determinação da alcalinidade, dureza e pH da água pode ser feito usando kits de análise 

de água disponíveis no mercado.  

Se a alcalinidade total e a dureza total da água que abastece os tanques for maior do que 

30mg de CaCO3/L, não é necessário fazer calagem, economizando tempo e dinheiro.  

Se não for possível analisar a água, faça a calagem de qualquer maneira, principalmente se 

os solos de sua propriedade forem ácidos e necessitarem de calagem para a agricultura. 

Enchimento dos tanques: evite a entrada de peixes indesejáveis colocando telas de 

proteção na tubulação de entrada. Quando o nível da água estiver próximo do ladrão feche a 

entrada de água. 

 

A importância do plâncton 

 

Com a estocagem dos peixes e início da alimentação a água começa a adquirir uma 

coloração esverdeada, o que indica a presença de plâncton.  

O plâncton sombreia o fundo dos tanques, impedindo a entrada de luz e o desenvolvimento 

de algas filamentosas e plantas submersas. Também contribui com a alimentação, produz oxigênio 

e remove a amônia da água, favorecendo assim um rápido crescimento dos alevinos.  

Se houver muita troca de água no início das etapas de recria o plâncton não se forma e o 

desenvolvimento dos peixes será prejudicado.  A água fica muito transparente, facilitando o 

desenvolvimento de algas filamentosas e plantas aquáticas no fundo dos tanques. 

Se a água estiver muito cristalina no início  das fases de recria, a formação do plâncton 

pode ser estimulada fechando toda a entrada de água e aplicando uréia (3 a 5 kg/1.000m2) 

semanalmente.  

O ideal é deixar a água ir adquirindo  uma coloração esverdeada até atingir uma 

transparência entre 40 a 50cm. A transparência pode ser medida com o auxílio do Disco de Secchi.

 

Quando a transparência da água for reduzindo e se aproximar a 30cm, é hora de começar 

a renovar um pouco de água. A quantidade de  água renovada deve ser ajustada de forma a 

manter a transparência da água entre 40 a 50cm. 

Estocagem dos alevinos 

Aclimate os peixes à água dos tanques onde serão estocados. Para isto introduza pouco a 

pouco a água dos tanques dentro dos sacos plásticos ou dos tanques de transporte com  os 

alevinos.  

Faça a aclimatação mesmo que a temperatura das duas águas sejam iguais. A aclimatação 

serve para minimizar não apenas a diferença de temperatura, mas também as diferenças nos 

níveis de oxigênio, no pH e na concentração de gás carbônico entre a água de transporte e a água 

dos tanques.  

A aclimatação deve durar no mínimo 20 minutos. Uma aclimatação mal feita pode resultar 

na morte parcial ou total dos alevinos.    

 

2.2. Manejo da alimentação 

 

Etapa 1 da recria

 

 Os alevinos devem ser alimentados 3 a 4 vezes ao dia se a temperatura da água estiver 

acima de 28°C. 

Até os 20 dias use ração triturada para alevinos, com 36 a 40% de proteína.  

A partir dos 21 dias os peixes deverão estar com 10g ou mais e conseguirão ingerir peletes 

flutuantes de 2mm. Se estes peletes não forem disponíveis em sua região, continue usando ração 

triturada, porém com grânulos de tamanho próximos a 2mm.  

No início da Etapa 1 a ração deve ser fornecida ao redor de todo o tanque. A partir dos 20 

dias da recria reduza gradualmente a área de alimentação, forçando os peixes a se concentrarem 

numa faixa de 60 a 70% do perímetro dos tanques durante a alimentação. Isto melhora o 

aproveitamento da ração.  

 

 

Etapa 2 da recria  

Os alevinos avançados com tamanho ao redor de 30g devem ser alimentados com peletes 

flutuantes contendo de 28 a 36% de proteína e tamanho entre 3 a 4mm.  

Entre 2 a 3 refeições diárias devem ser realizadas, sendo a quantidade de ração ajustada 

de modo a fornecer tudo o que os peixes forem capazes de consumir em cada refeição.  

Nas fases avançadas evite fornecer mais do que 8 kg de ração para cada 1.000 m2 de 

tanque caso não haja possibilidade de renovação de água ou não se disponha de aeradores. Ou 

seja, um tanque com 5.000m2 não deve receber mais do que 40 kg de ração/dia.  

Se houver água disponível para renovação  contínua e/ou houver aeração, os limites 

máximos de arraçoamento podem  ser maiores, de acordo com o proposto no Quadro 2. Por 

exemplo, se não houver aeração mas a  troca de água for média, pode se fornecer aos peixes no 

máximo cerca de 8 a 10 kg de ração por dia sem prejuízo à qualidade da água. 

Neste ponto do cultivo os peixes já estão bem acostumados com o arraçoamento, e se 

deslocam rapidamente para os pontos de alimentação. Portanto a ração pode ser fornecida numa 

faixa correspondente a 50% ou um pouco menos do perímetro  dos tanques.

 

3. Finalização do crescimento (terminação) 

 

Na terminação devem ser usados tanques maiores que 5.000m2, embora tanques de menor 

tamanho possam ser aproveitados com sucesso. O preparo dos tanques deve seguir os mesmos 

procedimentos recomendados para a recria. 

   

3.1. Despesca dos alevinos avançados e estocagem 

 

A despesca dos alevinos avançados deve ser feita com rede adequada, de tecido macio de 

preferência sem nós e tamanho de malha entre 7 a 8mm. 

A transferência dos alevinos de 100g para os tanques de terminação deve acontecer nas 

horas mais frescas do dia.  

Sempre manuseie os peixes de forma gentil. Evite traumas, como as perdas de escamas e 

muco, batidas, arranhões, etc.  

Procure sempre manter os peixes dentro da água durante o manejo. Evite carregar os 

peixe fora da água, mesmo em distâncias curtas. Use sacos plásticos, baldes ou caixas plásticas 

com água, ou tanques específicos de transporte para realizar a transferência dos peixes de um 

tanque a outro.  

Se o manuseio for inadequado os alevinos podem sucumbir a doenças diversas, resultando em grande mortalidade após a estocagem.   

 

Densidades de estocagem

 

Embora alguns pesque-pagues comprem pacus e piauçus pequenos, a maioria prefere 

peixes acima de 1 kg. Piraputangas, matrinxãs e piracanjubas devem ser comercializadas vivas 

com peso mínimo de 700g. 

Se a meta for produzir peixes de 1 quilo, é recomendado estocar entre 500 a 750 peixes 

por 1.000 m2 de tanque. Os alevinos destas espécies estocados com 100g atingem este peso após 

um período de terminação de 180 a 210 dias, dependendo da qualidade da ração, da temperatura 

e do manejo da alimentação e da qualidade da água. 

 

3.2. Manejo da alimentação 

 

Na terminação os peixes devem ser alimentados de 1 a 2 vezes ao dia com peletes 

flutuantes de 4 a 8 mm, em função do tamanho dos peixes, e com 28% de proteína.  

Um número maior de tratos diários não traz  benefícios adicionais ao crescimento dos 

peixes. Ao contrário, pode prejudicar a conversão alimentar.  

 

O uso de peletes flutuantes facilita a observação do consumo e o ajuste na quantidade de 

ração fornecida. Os peixes devem ser alimentados sempre um pouco menos do máximo que eles 

podem consumir em uma refeição. Com a prática o tratador aprende a determinar o momento de 

interromper a alimentação observando a atividade dos peixes.  

 

Limite os níveis de arraçoamento  

 

Mesmo que os peixes sejam capazes de consumir mais e mais ração, procure respeitar os 

limites de arraçoamento apresentados anteriormente. Quanto mais ração se fornece aos peixes, 

maior o volume de fezes excretado na água. O excesso de matéria orgânica (fezes) nos tanques 

reduz os níveis de oxigênio dissolvido e favorece o desenvolvimento de parasitos e de bactérias, 

que vão prejudicar a saúde dos peixes.  

A prática de arraçoamento acima dos limites  sustentáveis, resulta em deterioração da 

qualidade da água, aumentando as chances de morte dos peixes por falta de oxigênio ou doenças.  

Problemas relacionados aos altos níveis de arraçoamento sempre ocorrem ao final de cada 

fase de cultivo, quando se consumiu a maior parte de tempo e dinheiro e os alevinos e peixes 

adultos acumularam maior valor. Portanto, perder peixes por este motivo pode colocar em risco o 

lucro e o sucesso de qualquer piscicultura. 

 

3.3 Monitoramento e controle da qualidade da água 

 

Oxigênio dissolvido 

 

Monitore diariamente os níveis de oxigênio dissolvido pela manhã (7:00hs) e ao final da 

tarde (17:00hs). Se os níveis de oxigênio pela manhã apresentarem uma tendência de declínio dia 

após dia e chegarem a valores abaixo de 4mg/L, diminua os níveis de arraçoamento diário. 

Se a água estiver com muito plâncton (muito verde) e transparência for muito reduzida 

(menor que 30cm), comece a renovar água ou aumente o fluxo de água quando possível. Se estas 

medidas não surtirem efeito, suspenda a alimentação dos peixes até os níveis de oxigênio se 

normalizarem. Se houver disponibilidade de aeradores para eventuais emergências, deixe eles 

prontos para entrar em ação. 

 

 

Transparência da água 

 

A transparência da água deve ser monitorada diariamente com o uso do disco de Secchi. 

Em pouco tempo o piscicultor fixa o padrão de transparência ideal sem necessitar do disco de 

Secchi. Se a transparência for maior que 50cm, o que é comum em tanques recém enchidos e 

estocados ou em tanques com excessiva troca de  água, o piscicultor deve fechar a entrada de 

água nos tanques e, se necessário, fazer adubações semanais com uréia até a água ir adquirindo 

uma coloração esverdeada. Cerca de 3 a 5 kg de uréia por 1.000 m2 devem ser aplicados em cada 

adubação. Ao adubar um tanque, não se esqueça de reduzir a renovação de água.  

Outros parâmetros de qualidade de água devem ser monitorados periodicamente. O 

piscicultor deve estar atento e preparado para isto.  

Recomendamos que as pisciculturas se equipem com pelo menos um medidor de oxigênio 

confiável e prático de se usar (o custo de um bom aparelho no Brasil gira em torno de US$ 900 a 

1.000) e um bom kit de qualidade de água equipado para análises de pH, alcalinidade total e 

dureza total.  Muitos destes kits também são equipados com testes para amônia e gás carbônico. 

O preço de um kit de qualidade de água pode variar entre US$ 300 a 900.  

O preço pago por estes equipamentos é irrisório frente a perda total de um lote de alevinos 

ou peixes em terminação. Muitos piscicultores gastam fortunas com aeradores e não dispõem de 

ferramentas ou conhecimento adequado para dizer quando devem ser acionados. Não é surpresa 

se a diferença na conta de energia elétrica em algumas pisciculturas for mais do que suficiente 

para comprar um kit de qualidade de água e um medidor de oxigênio ao final de cada mês, sem 

contar a redução no desgaste e manutenção dos aeradores.  

Portanto, é impossível o piscicultor falar algo a respeito da qualidade da água em sua 

piscicultura sem o uso diário de um medidor de oxigênio e sem o suporte de um kit para análises. 

Antes de comprar os equipamentos para monitorar e corrigir a qualidade da água, é necessário 

que o piscicultor aprenda em cursos, livros, revistas especializadas e boletins técnicos, como 

funciona a dinâmica de qualidade da água nos tanques de piscicultura.  

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!